Tamanho do texto:A-A+

A posição do quadril no SLR influencia na ativação entre o glúteo médio e o tensor da fáscia lata?

Nenhum comentário
Imprimir Enviar por email para um amigo

Fraqueza do Glúteo Médio (Gmed) está associada com algumas lesões da extremidade inferior, incluindo síndrome de fricção da banda iliotibial e síndrome da dor femoropatelar. Nós, clínicos usamos diversos exercícios de fortalecimento para os abdutores do quadril tais como o SLR em decubito lateral(DL), apoio unipodal, deslocamento lateral com theraband, e os hops laterais.

Entre muitos exercícios, o SLR em DL é muito usado, principalmente na fase inicial de um programa de reabilitação, progredindo mais tarde para exercícios mais funcionais como os de apoio unipodal. Músculos sinergistas como o quadrado lombar e o tensor da fáscia lata (TFL) podem ser ativados durante o SLR em DL. Um estudo prévio demonstrou que o uso do PBU (Stabilizer®) durante o SLR em DL diminue a participação do TFL e aumenta a atividade do Gmed. No entanto, não há nenhum método reportado que evite a atividade excessiva do TFL (a não ser um boa orientação).

adriano-pezolato-03

Pessoas com fraqueza do Gmed podem compensar com a ativação do TFL durante a realização do SLR em DL. Quando o TFL é ativado para compensar um Gmed fraco, ele pode tornar-se dominante por uso repetitivo. Um TFL dominante pode contribuir com dores no quadril, na lombar e no aspecto lateral do quadril.

O estudo de Lee et al (2013) teve como objetivo determinar os efeitos de diferentes rotações do quadril (SLR neutro(SLRN), rotação medial(SLRRM) e rotação lateral(SLRRL)) no plano transverso na atividade EMG do Gmed e TFL e ainda investigar a relação de ativação Gmed:TFL. 20 estudantes saudáveis participaram do estudo.

Os resultados mostraram que o SLR RM resulta em maior ativação do Gmed e maior raio de ativação Gmed:TFL, isto é, o Gmed está mais ativo que o TFL quando o quadril estiver em Rotação Medial durante o SLR em DL. É ISSO MESMO!!!! ROTAÇÃO MEDIAL. McBeth et al (2012) investigou o SLR com rotação lateral com o raciocínio de se ter uma maior ativação do Gmed que é um rotador medial. Os resultados contrariaram o raciocínio, a atividade do TFL aumentou ao passo que ado Gmed diminuiu.

A explicação dos autores é que com o quadril rodado lateralmente, a gravidade exerce um “pull” (puxa) o quadril para uma extensão e coloca a linha de ação do TFL em uma posição mais anterior ao eixo do quadril. Desta forma o TFL pode contrair mais contra a gravidade comparado ao Gmed durante o SLRRL em DL. Um possível mecanismo para explicar o achado do estudo (Gmed mais ativo no SLRRM) é que o Gmed foi colocado na sua posição mais alta numa secção cruzada (cross-section) da coxa superior quando a contração isométrica era mantida. Assim, o Gmed estava numa posição favorável para ser ativado para sustentar o SLRRM isométrico e contrabalancear o pull para baixo da gravidade. Outra explicação para este achado, o GMed tentaria contraagir o rolamento anterior da pelve no plano transverso.

O estudo também demonstrou que o SLRRM é o melhor exercício entre os 3 SLR para aumentar o raio de ativação muscular Gmed:TFL. Os autores relatam que todas as precauções para evitar o crosstalk foram tomadas para maximizar a confiabilidade do sinal EMG.

 

Nota do Prof. Ft. Adriano Pezolato:

adriano pezolato

Para mim é uma novidade. Já usava o SLR feito com o calcanhar na parede para minimizar a dominância do TFL em pacientes com o Gmed fraco, dando maior ênfase ao Gmed ao evitar a flexão do quadril durante o SLR. Cheguei a usar o raciocínio de incorporar a rotação lateral no final da ADM do SLR para aumentar ainda mais o desafio para o Gmed principalmente as fibras posteriores que são extensoras e rotadoras laterais. Com base em achados recentes, a minha intenção está equivocada, uma vez que este e outros estudos demonstraram maior ativação do TFL no SLRRL.

Há anos que só faço o SLR lateral com o joelho para fora da maca, para colocar os músculos abdutores numa posição alongada e a partir desta posição solicito abdução do quadril até a horizontal, sempre orientando o paciente a levar a perna para trás(extensão do quadril) e jamais para frente. Muitos pacientes acham dificílimo o exercício, principalmente os que tem o Gmed muito fraco. É também uma das minhas estratégias para trabalhar a relação Gmed:TFL, dando maior ênfase ao Gmed. Vide foto

Veja aqui a referência científica para esse texto.

 

  • Micaelle Rayssa

    Ate quando vão as inscriçoes ?

  • UVANIA FONTES

    ALÉM DAS PARCELA 5X , PODE PARCELA EM MENOR QUANTIDADES, OU SEJA, 4, 3, 2 E 1 QUANTAS VEZES SEM JUROS PODE SER PARCELADO?

  • Nathalia Schulze

    Qual o curso pré congresso e quando será ? Qual o valor? Teremos translado congresso hotel e hotel congresso?

  • Simone Oliveira

    até quando vão as inscrições???

  • Léa Magalhães

    Haverá curso pré-congresso? Quando será e quanto custará?

  • Categorias

  • Tags

    Receba nosso conteúdo
    por e-mail